Browse By

Educadoras poços-caldenses participam de Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros

As educadoras poços-caldenses Nanci de Moraes e Silvana Maria Jacinto participaram do X Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros – X COPENE, representando a Autarquia Municipal de Ensino (AME), juntamente com a professora Maria José de Souza (Tita). O evento, realizado de 12 a 17 de outubro, em Uberlândia/MG, é uma iniciativa da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as – ABPN, Universidade Federal de Uberlândia e Consórcio Nacional de Núcleos de Estudos Afro-brasileiros – CONEABs.

Durante o congresso, foram realizadas manifestações culturais

O COPENE é um espaço de divulgação, circulação e promoção da produção científica dos pesquisadores negros e de estudiosos das temáticas vinculadas à população negra, sob a perspectiva do diálogo entre os povos africanos e da Diáspora, com vistas aos debates e reflexões acerca da intelectualidade negra nos diferentes campos e áreas do conhecimento científico e do saber, e também sob a perspectiva da resistência, do enfrentamento e do combate às diversas formas de racismo, de forma particular a segregação dos negros e negras nos espaços sociais e na produção acadêmica.

Cerca de 4.000 pessoas – entre pesquisadores mestres e doutores e estudantes de graduação e educação básica, com representantes da África, América do Sul e Europa – participaram do X Congresso Brasileiro de Pesquisadores Negros. Esta foi a primeira vez que a AME participou do evento acadêmico.

“Julgamos importante participar do Congresso pensando na situação em que estamos vivendo no país, neste momento em que temos que batalhar pelos direitos que já conquistamos. Só chegamos a ter o COPENE através dos movimentos negros iniciados nos anos 70 e, agora, vivemos um momento de perda de direitos. Por ser militante, fiquei encantada ao ver o resultado dessa militância porque, na minha época, podíamos contar os estudantes negros em universidades. Fiquei muito feliz em me deparar com jovens negras e negros apresentando seus projetos de mestrado e doutorado, se apoderando desse espaço universitário, desse espaço de educação”, destaca a diretora da Autarquia Municipal de Ensino, Nanci de Moraes, que é militante do movimento negro.

Já a educadora Silvana Jacinto ressalta que é necessário ampliar a participação dos negros nas atividades acadêmicas, inclusive com a citação de pesquisadores que desenvolvem trabalhos de alta qualidade em suas áreas de atuação, por exemplo. “Participar do congresso nos faz refletir e dialogar sobre o movimento negro e sobre os movimentos sociais que também caminham na mesma direção e estão na mesma luta, na construção e na conquista de espaços públicos. O que fica claro é que a educação é o caminho para o cumprimento das leis referentes à igualdade racial, começando desde a educação infantil até o ensino superior”, enfatiza. “É uma reafirmação da nossa consciência de que somos negros e continuamos a lutar”, completa.

Durante a realização do COPENE, foi registrado um ato racista na própria Universidade Federal de Uberlândia, com a pichação da frase “Pretaiada vai voltar para a senzala” em um dos banheiros da universidade. O grupo de pesquisadores que participava do congresso organizou uma caminhada até a Reitoria da UFU, para exigir providências em relação ao fato. A universidade registrou boletim de ocorrência e informou que dará encaminhamento para instauração de sindicância interna para identificação e punição dos responsáveis pelo crime. A Polícia Federal foi acionada.

Precisamos falar sobre racismo
A Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) e a Autarquia Municipal de Ensino promovem o projeto de extensão universitária “Precisamos falar sobre”, que tem como objetivo realizar encontros com a comunidade, voltados à discussão reflexiva de temas relevantes. No dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, o encontro debaterá a questão racial, às 19h, no Espaço Cultural da Urca, aberto a todos, com entrada gratuita. A inscrição é realizada na hora e há emissão de certificado de participação.

De acordo com a diretora da AME, a participação no Congresso foi importante também para subsidiar as discussões que ocorrerão no município. Ela informou, ainda, que a proposta é realizar na cidade um encontro com todos os pesquisadores negros e não negros que desenvolvam temática antirracista, de humanas e exatas das faculdades e universidades de Poços de Caldas.

“Precisamos falar sobre as questões do racismo que, apesar de tudo, ainda imperam no país. Temos clareza de que vivemos num país de herança escravocrata, que ainda não assume o preconceito. E só é possível transformar essa realidade a partir do momento em que assumimos que o racismo existe. Enquanto isso, vivenciamos essa falsa democracia racial, com direitos cerceados, na qual ainda não ocupamos todos os espaços que poderíamos ocupar. A própria universidade é um exemplo disso”, avalia. “Precisamos estar atentos para que os direitos da população negra já conquistados não se percam e para que possamos ver cada vez mais negras e negros dentro das universidades, especialmente nas públicas”, finaliza a diretora da Autarquia. – Secom – Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Poços de Caldas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *