Casal acusado da morte da pequena Ana Lívia vai a júri popular

O casal Letícia Lopes Fonseca, de 19 anos, e Christhopher Anthony Tavares Coelho, de 27 anos, acusado da morte da pequena Ana Lívia Lopes da Silva, de apenas 3 anos vai a júri popular.

Casal vai responder por homicídio e feminicídio e a pena pode chegar até 30 anos de prisão
A sentença foi publicada 4 meses após a audiência para decidir o julgamento dos acusados. Ainda não está definida a data para o júri popular. O casal vai responder por homicídio e feminicídio e a pena pode chegar até 30 anos de prisão. Porém os acusados ainda podem recorrer. Os dois estão presos desde o dia 14 de junho do ano passado, um dia antes da morte da menina, atualmente estão presídio de Piumhi, no Sudoeste de Minas, a 266 km de Poços de Caldas. O casal que já respondia o processo por homicídio também foi indiciado por tortura. A investigação da Polícia Civil concluiu que a menina vinha sendo agredida bem antes de sua morte.Na época a delegada Maria Cecília Gomes Flora, que presidiu o inquérito, durante as investigações teve acesso aos dados dos celulares do casal e foi constatado que as imagens tinham sido apagadas, mas mesmo com algumas fotos embaçadas, foi possível identificar que a criança apresentava vários hematomas no rosto, com lesões provocadas em um intervalo de 24 a 96 horas. Além das fotos os aparelhos tinham mensagens com conteúdo que mostravam impaciência por parte da mãe pelo fato de Ana Lívia não estar indo para creche, justamente por causa dos hematomas.O casal foi indiciado por homicídio com várias qualificadoras, entre elas feminicídio, motivo fútil e tortura. Ana Lívia morreu na madrugada do dia 15 de junho, após ser internada em estado grave na Santa Casa. Ela não resistiu aos ferimentos depois de ter sido brutalmente espancada pelo padrasto, Christhopher Anthony. O casal foi preso no dia das agressões e chegou a ser transferido para o presídio de Andradas. Mas por questão de segurança, devido à repercussão do caso, os dois foram levados para a unidade prisional de Piumhi.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *