Este site está protegido. Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize as ferramentas de compartilhamento da página.

Com 27 mineiros, Brasil levará maior delegação da história aos Jogos Paralímpicos

Com o fim dos Jogos Olímpicos Rio 2016, os brasileiros terão poucos dias para ‘descansar’ sua torcida. No dia 7 de setembro têm início os Jogos Paralímpicos Rio 2016, que contarão com mais de 4 mil atletas de 176 países envolvidos na disputa de 23 modalidades esportivas.

 A mineira Raíssa Machado foi medalha de prata no Mundial de Atletismo em Doha, no Qatar, em 2015 - Foto Daniel Zappe/MPIX/CPB

A mineira Raíssa Machado foi  prata no Mundial de Atletismo em Doha, no Qatar, em 2015 – Foto Daniel Zappe/MPIX/CPB

Nesta edição do evento, o Brasil terá sua maior delegação na história das Paralimpíadas. Serão 279 atletas – 181 homens e 98 mulheres –, 23 acompanhantes (atletas-guias, calheiros e goleiros) e 195 profissionais técnicos, administrativos e de saúde. Fazem parte deste recorde 27 representantes do estado de Minas Gerais: 17 atletas, nove técnicos e um auxiliar técnico. Minas Gerais será representado por 17 atletas, nove técnicos e um auxiliar técnico na competição.

O atletismo é a modalidade com maior número de mineiros competindo. O destaque é a tricampeã paralímpica, oito vezes campeã mundial e nove vezes campeã parapan-americana Terezinha Guilhermina, que nasceu em Betim.

Também fazem parte da equipe Izabela Silva Campos, da Associação dos Amigos do Instituto São Rafael (AAISR), de Belo Horizonte; José Humberto Rodrigues, Poliana Fátima Sousa de Jesus e Raissa Rocha Machado, da Associação dos Deficientes Físicos de Uberaba (Adefu), Mauro Evaristo de Sousa, da Associação dos Paraplégicos de Uberlândia (Aparu) e Rodrigo Parreira da Silva, do Clube Desportivo para Deficientes de Uberlândia (CDDU). Além deles, Cássio Henrique Damião, de Belo Horizonte, e Higor Fiorine, de Uberaba, serão técnicos do Brasil.

Na bocha, o medalhista de ouro no Parapan de Toronto 2015, José Carlos das Chagas de Oliveira, da Adefu, está na lista de convocados. Com ele, representam Minas Gerais os técnicos Glênio Fernandes Leite, de Uberlândia, e Janaína Pessato Jerônimo, de Uberaba – ambos assistidos pelo programa Bolsa Técnico da Secretaria de Estado de Esportes (Seesp) – , além do auxiliar técnico Nivaldo Batista Vital, também de Uberaba.

No judô, Deanne Silva de Almeida – beneficiária do programa Bolsa Atleta, da Seesp –, integra a seleção brasileira da modalidade no Rio de Janeiro.

Na natação, três representantes do Brasil são mineiros: os atletas Ruan Felipe Lima de Souza (Praia Clube) e Ruiter Antônio Gonçalves Silva (CDDU), e o técnico Alexandre Silva Vieira, todos de Uberlândia.

O Minas Quad Rugby, de Belo Horizonte, campeão brasileiro de rúgbi em cadeira de rodas, terá dois dos seus integrantes na Paralimpíada: o atleta Davi Rodrigues Coimbra de Abreu e o técnico Rafael Botelho Gouveia.

No tênis em cadeira de rodas, os atletas Daniel Alves Rodrigues e Rafael Medeiros Gomes, ambos do Butija Tennis de Belo Horizonte, integram a delegação brasileira nos Jogos Olímpicos, bem como o técnico Léo Butija. De Uberlândia, o técnico Raphael Oliveira de Moraes, de Uberlândia, também foi convocado.

Minas Gerais também estará representada por Janaína Petit, de Varginha, nas competições de vôlei sentado.

Completam a lista de mineiros classificados para os Jogos Paralímpicos Rio 2016 os atletas de vela adaptada Antônio Marcos do Carmo, de Belo Horizonte, e José Maria Gonçalves de Abreu, de Contagem, além do técnico de tiro com arco, André Xavier Mineiro Álvares, também da capital.

Mineiros de coração

Além dos atletas que nasceram em cidades mineiras, o estado também contará com outros quatro esportistas nascidos em outros estados, mas que são vinculados a clubes de Minas Gerais. Da natação, Guilherme Batista e Mariana Ribeiro, de Franca (SP) e São Gonçalo (RJ), respectivamente, são atletas do Praia Clube de Uberlândia que integram a equipe brasileira.

Guilherme Camargo e Júlio Braz, nascidos no Rio de Janeiro, fazem parte do Minas Quad Rugby e nos Jogos Paralímpicos competirão com a camisa da Seleção Brasileira.

Em busca do top 5

Pela primeira vez na história, o Brasil terá representantes em todas as 23 modalidades que compõem o programa dos Jogos Paralímpicos. Os atletas têm a tarefa de atingir a meta de ficar entre os cinco melhores no quadro geral de medalhas. O objetivo foi estabelecido após a sétima posição nos Jogos de Londres 2012 (21 medalhas de ouro, 14 de prata e oito de bronze – 43 no total).

Clique aqui e veja os representantes mineiros nos Jogos Paralímpicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *