Piso Nacional: Professores da rede municipal aprovam proposta do Executivo

Os professores da rede municipal de ensino aprovaram na última sexta-feira, 1ª, a proposta do Executivo para o cumprimento do Piso Nacional  durante asseembleia extraordinária convocada pelo Sindserv, por recomendação da 2ª Vara do Trabalho.

Convocação de assembleia foi recomendação da Vara do Trablaho

Mais de 500 servidores compareceram à assembleia e a maioria aprovou a proposta da administração que dividiu o cumprimento da carga horária extraclasse em 1/6 no ano de 2018 e 1/6 em 2019, sem vincular ao aumento do IPTU. Segundo o Sindserv, apenas 4 servidores votaram contra.

De acordo com Marieta Carneiro, presidente do Sindserv, a maioria votou favorável por entender a urgência de se fazer valer a lei, mesmo diante das condições da prefeitura.

Marieta lembra que a primeira proposta da administração foi rejeitada pelos servidores durante assembleia realizada em abril. Previa o aumento do IPTU no município para subsidiar o cumprimento da lei, que seria parcial em 2018 e total em 2019.

“O cumprimento da lei 11.738 é um sonho dos professores, que lutamos demais nos últimos cinco anos. A efetivação desse cumprimento é um ganho muito grande tanto para a carreira do profissional, quanto para os alunos, porque o professor ficará 1/3 da jornada fora da sala de aula, terá tempo para estudar, planejar, corrigir as avaliações, se estruturar e se preparar melhor para fazer seu trabalho. O educando vai ter um profissional muito mais educado” acredita.

Além disso, segundo a presidente do Sindserv, a negociação permitiu a ampliação da jornada para todos os profissionais: professores das séries iniciais, dos ensinos fundamental e médio, e especialistas poderão ter a carga horária ampliada. “Isso é muito positivo porque o professor poderá se dedicar somente à rede municipal e haverá um gerenciamento melhor da qualidade do ensino no município.”

Uma nova audiência na Justiça do Trabalho está agendada para o dia 6 de setembro. Depois de homologada a negociação em juízo, basta aguardar que a Secretaria Municipal de Educação se adeque. Professores que optarem por alterar a jornada de trabalho devem fazer um pedido formal até 30 de dezembro. Enquanto isso, o projeto deverá ser apreciado e aprovado pela Câmara Municipal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *