Este site está protegido. Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize as ferramentas de compartilhamento da página.

Centro Cultural Chico Rei participa de encontro feminino de capoeira

Representantes do Centro Cultural Afro Brasileiro Chico Rei participaram do 1º Encontro Feminino “Mulheres da Capoeira Filhas de Bomfim”. O encontro foi reazliado no úlitimo dia 18 em São José do Rio Pardo, interior de São Paulo.

O evento foi organizado pela ala feminina do grupo e contou com a presença de grandes Mestres inclusive com um dos fundadores do grupo, Mestre Senna, que prestigiou e reforçou a importância das mulheres estarem mais presentes nas rodas e ainda o contramestre Maria Matos do Filhos do Bomfim. “O 1° Encontro Feminino em São José do Rio Pardo-SP foi um divisor de águas pra mim. Venho participando de vários eventos ao longo da minha vida (28 anos de Capoeira), honestamente posso dizer que raramente podemos observar abertura para a participação efetiva das mulheres, fiquei realmente emocionada, pois a partir deste, tenho convicção de que iremos nos fortalecer e aparecer mais,” destacou o contramestre.

O encontro contou com a participação de representantes do Centro Cultural Afro Brasileiro Chico Rei

O encontro contou com oficinas de dança típicas como Carimbo, entre outras com alunas da cidade de Caldas. Samba de Roda, com Lucia Vera do Centro Cultural Afro Brasileiro Chico Rei para os participantes masculinos mix de aulões, e percussão com Maria Augusta.


A abertura do eventou foi realizada a apresentação de Maculelê, pelas alunas de São José do Rio Pardo e Itobi.

Segundo o site Axé Senzala, na história da capoeira, conta-se que Bimba foi um dos grandes Mestres que com sua capoeira trouxe mulheres para dentro da convivência masculina das rodas… e entre elas a famosa Maria 12 Homens, Calça Rala, Nega Didi Maria Pára o Bonde entre outras.

Sendo assim, e acordo com a professora e coordenadora do encontro, Karen Gonçalves, o evento foi muito relevante, pois é muito difícil a permanência das mulheres na capoeira. “Esse movimento inspira as mulheres que gostam a treinarem e serem mais participativas nas na Roda de Capoeira, a se sentirem empoderadas, além da união e garra que todas demonstraram na ocasião. Outro aspecto, é que com este espaço de representatividade nós mulheres acabamos nos espelhando uma nas outras, em busca de alcançar as mais altas graduações na capoeira, pois em nosso grupo poucas alcançaram tal lugar, mas cremos que com esse novo olhar e com mais eventos como este logo teremos muitas delas voando longe,” afirmou a coordenadora.

O encontro foi encerrado, com roda e saltos acrobáticos, seguido por um belo café e confraternização entre os participantes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *