Semana das Crianças: Alunos do CEI São Francisco participam de conversa sobre Monteiro Lobato

Aos sete anos, o menino Sergio ganhou “As reinações de Narizinho” em um concurso de descrição de desenhos. Na última terça-feira, 8, o professor de Literatura, Sergio Roberto Montero Aguiar, pôde compartilhar com os alunos do Centro de Educação Infantil São Francisco, suas memórias afetivas, incluindo o exemplar do livro de Monteiro Lobato, e seu conhecimento acadêmico sobre a obra do autor.

Professor Sergio Montero com o livro “Reinações de Narizinho”, que ganhou aos sete anos

A iniciativa faz parte do projeto “A infância ao longo dos tempos”, desenvolvido durante dois meses no CEI São Francisco, cuja culminância acontece na Semana das Crianças, com exposição na Biblioteca Municipal Centenário, no Espaço Cultural da Urca, até a próxima sexta-feira, 11.

“Quem já ouviu falar em Sítio do Picapau Amarelo? Quem conhece uma boneca de pano chamada Emília? Sabe por que Monteiro Lobato escolheu o milho para criar o personagem Visconde de Sabugosa? Porque o milho é o alimento do conhecimento”. Assim, colocando a criançada do Jardim I para pensar e participar, o mestre em Letras pela USP, que desde 2016 desenvolve projetos no Instituto Moreira Salles/ Casa da Cultura em Poços de Caldas, deu voz a Pedrinho, Narizinho, Dona Benta, Tia Nastácia e companhia. “Monteiro Lobato foi o primeiro escritor brasileiro a escrever literatura infantil e isso é muito importante”, ressaltou.

Os textos de Lobato foram utilizados como base para o trabalho pedagógico e a participação intensa das crianças demonstrou o sucesso do projeto. Como disse a pequena Maria Luísa, estudante do Jardim I, “o que a gente aprende, guarda na nossa cabecinha”.

O projeto “A infância ao longo dos tempos” visa resgatar as brincadeiras tradicionais e os brinquedos artesanais, propondo também uma reflexão sobre o consumismo na Semana das Crianças. Até a chefe das Bibliotecas Públicas, Magaly Franco, entrou na brincadeira e aproveitou para contar suas memórias do tempo de criança. “Fazia minha boiada de chuchu porque naquela época não tínhamos brinquedos”, confidenciou.

“Nosso maior objetivo é tirar as crianças da frente das telas para que elas aprendam observando a infância de seus familiares”, explicou a professora Roberta Xavier Braz. Pais e avós participaram de entrevistas para contar aos pequenos como eram as brincadeiras de sua infância e colocaram a mão na massa para confeccionar os próprios brinquedos, como pernas de pau e bonecas de pano, por exemplo.

Todo o material produzido pode ser visto na exposição, aberta à visitação até a próxima sexta-feira, 11 de outubro, véspera do Dia das Crianças, na Biblioteca Centenário, no Espaço Cultural da Urca, das 8h às 18h.

“Nossa proposta foi também propor uma reflexão sobre o consumismo. Muitas vezes, os pais compram brinquedos caros para as crianças em datas como essa e elas acabam nem brincando. Foi uma experiência muito rica ver a alegria dos alunos cuidando de uma boneca de pano, por exemplo. A participação dos pais e avós foi fantástica”, destaca a coordenadora pedagógica do CEI São Francisco, Maria de Fátima Menezes. A unidade, localizada no Country Club, zona oeste da cidade, conta com 224 alunos e atende do Berçário I ao Jardim I.

Serviço
Exposição “A infância ao longo dos tempos” – CEI São Francisco
Data: de 8 a 11 de outubro de 2019
Local: Biblioteca Pública Municipal Centenário (Praça Getúlio Vargas, s/ nº – Centro)
Horário: das 08h às 18h
Telefone: 3697-5216.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Este site está protegido.