Igreja Anglicana doa cestas básicas para Santa Casa

A Santa Casa  recebeu uma doação de 50 cestas básicas  realizada pela Igreja Anglicana de Poços de Caldas. A doação faz parte de uma ação que distribuiu ao todo 400 cestas para várias entidades e famílias carentes da cidade.

No domingo anterior a doação, 12, o bispo Ronaldo Melo recebeu na sede da Igreja, que fica na avenida Remígio Prézia,  os doadores das cestas ( amigos e fiéis da cidade de São Paulo) e representantes das entidades beneficiadas. Representaram a Santa Casa o vice-provedor da Irmandade, Marcos de Carvalho Dias e o superintendente do Hospital, Ricardo Sá, que agradeceu esse grande gesto da Igreja Anglicana. 

“Estamos passando por um processo muito grande de reformulação da Santa Casa e contamos com grandes parcerias como essa para atingir nosso objetivo. A Santa Casa está em busca de seu equilíbrio financeiro, ao mesmo tempo que busca melhorar cada vez mais a qualidade de seus atendimentos. Para isso, contamos com o apoio de toda a sociedade e de parceiros importantes, como é a Igreja Anglicana. Agradecemos muito esse gesto de amor e carinho”,  disse Ricardo Sá. 

O bispo Ronaldo Melo conta que ao receberem essas cestas de amigos e fiéis da cidade de São Paulo, para serem destinadas a instituições e famílias carentes de Poços,  a  Santa Casa foi a primeira escolhida pelo carinho e pelo trabalho que o Hospital faz para a população da cidade.

“Nós já fazemos esse trabalho de ajuda às pessoas. Dessas 400 cestas básicas muitas delas nós entregamos de casa em casa, para pessoas que realmente estão passando por dificuldades. É um trabalho que a gente faz o ano todo. Na Igreja Anglicana nós temos a seguinte meta: colocar o trabalho social no nível da igreja. Para nós, não tem sentido nenhum a igreja só pela igreja, o trabalho social de promoção humana é equivalente a igreja.

Então, cada vez mais, a gente faz parcerias com outras instituições para podermos potencializar o trabalho de promoção humana, não só na questão da doação de alimentos. Eu costumo dizer, uma pessoa que está afogando precisa de uma bóia para sobreviver, esse é o alimento. Depois a gente faz o acompanhamento das crianças para ver se está na escola ou não, se está doente ou não, se tem dependente químico naquela família e na maioria tem. Então, fazemos todo esse trabalho de promoção humana”, revela o bispo Ronaldo.       

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site está protegido. Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize as ferramentas de compartilhamento da página.