Mãe e filha são presas por prostituição infantil em Poços de Caldas

A Polícia Civil de Poços de Caldas prendeu na manhã desta quarta-feira, 5, duas mulheres suspeitas de envolvimento com a prostituição infantil. As prisões e apreensões foram feita durante a operação Book Rosa, que ganhou este nome por se tratar de aliciamento de menores a prostituição.

As mulheres são suspeitas de envolver o próprio neto e filho na prostituição

A polícia descobriu o esquema após denúncia feita em janeiro deste ano ao Ministério Público pelo pai de uma adolescente que estava sendo explorada pelas duas mulheres, Claudete Hashimoto de Souza e a filha dela Elaine Hashimoto.

Durante as investigações a Polícia Civil descobriu que o esquema envolvia 3 pessoas na rede de prostituição, sendo que dois eram menores de idade, o neto e filho das suspeitas e uma amiga dele de apenas 15 anos, que eram agenciados pelas duas.

A rede de prostituição funcionava a partir de um agenciamento feito via um site, onde os menores eram oferecidos e o contato com os clientes era via whatssap. “o blog foi atualizado nesta terça-feira, mas já havíamos conseguido provas que relatavam que pelo menos 3 pessoas eram ofertadas, inclusive uma garota de programa era oferecia a R$ 1,99,” declarou o delegado.

Operação foi desencadeada às 07h30 da manhã no Centenário

A casa da própria família, localizada na Rua Francisco Tramonte no bairro Centenário era usada para os encontros, inclusive o próprio quarto da matriarca era utilizado para os programas.

De acordo com o delegado responsável pela operação, Cleyson Brenner, a casa não chamava atenção e o esquema já acontecia há mais de um ano. Os vizinhos relataram que havia uma grande movimentação no local o que causava estranheza.

Segundo o delegado, a adolescente queria sair do esquema, mas as duas mulheres a pressionavam a continuar, até porque tinha dívida com as donas da casa, uma vez que a menor era obrigada a comprar produtos eróticos vendidos por Elaine.

No caso da adolescente era cobrado um valor de R$ 200,oo pelo programa, sendo que R$ 50,00 ficava com a casa e o restante com o filho de Elaine. A menor só recebia alguma coisa quando ia com o amigo em algum restaurante, bar ou lanchonete.

O caso chegou a surpreender o delegado, pois além do filho que era agenciado, um outro menino de 11 anos, filho de Elaine também morava na casa. A polícia vai investigar se a criança também era explorada sexualmente. “Nós estamos recolhendo informações e será investigado se a criança também era oferecida”, destacou o delegado. O menino ficou sob os cuidados de um tio, irmão de Elaine.

Polícia Civil apreendeu vasto material na casa

A Polícia Civil apreendeu na casa vários objetos relacionados à prostituição e pornografia, como DVD´s, pen drive e cadernos com anotações dos agendamentos e nomes de clientes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site está protegido. Para compartilhar esse conteúdo, por favor utilize as ferramentas de compartilhamento da página.